Primeiro domingo da Quaresma

Primeiro domingo da Quaresma

É no deserto que Deus conduz o seu povo, e é no deserto que a Aliança é selada, no mesmo deserto onde os ídolos são moldados. No deserto estamos a céu aberto, é um lugar provisório, de passagem. E de lá nos vem o anúncio fundamental: «Cumpriu-se o tempo e está próximo o Reino de Deus». Hoje é domingo, o primeiro dia da semana: que este dia e este tempo sejam para ti a graça dos recomeços, o dia favorável da salvação. 

Sexta-feira depois das Cinzas

Sexta-feira depois das Cinzas

Hoje, no início da tua oração, acolhe este convite expresso por João Crisóstomo, em pleno século quarto: «Não é só no momento determinado para rezar que devemos elevar a Deus o nosso espírito; também no meio das mais variadas tarefas, como o cuidado dos pobres ou as obras úteis de misericórdia, é preciso conservar sempre viva a aspiração e memória de Deus. Assim, todas as nossas obras, condimentadas com o sal do amor de Deus, convertem-se em alimento agradável para o Senhor do Universo». 

Quarta-feira de Cinzas

Quarta-feira de Cinzas

No início do tempo da Quaresma, encontras o símbolo das cinzas.
Permite que este símbolo te fale, 
te aponte um sentido e um caminho novo,
te manifeste a tua humanidade.
E começa a tua oração, 
neste dia denso de graça para toda a Igreja, 
com esta prece do salmo 50:
«Criai em mim, ó Deus, um coração puro,
e fazei nascer dentro de mim um espírito firme.
Não queirais repelir-me da vossa presença
e não retireis de mim o vosso espírito de santidade.
Dai-me de novo a alegria da vossa salvação
e sustentai-me com espírito generoso».

Terça-feira da sexta semana do Tempo Comum

Terça-feira da sexta semana do Tempo Comum

A oração é uma vida de passagem, de páscoa, onde as imagens de Deus se transfiguram, tal como a nossa vida se transfigura. Hoje, começa a tua oração escutando estes versos de Sophia de Mello Breyner:  «Em vão eu busco a tua face antiga és sempre um deus que nunca tem um rosto por muito que eu te chame e te persiga. Deus é no dia uma palavra calma, um sopro de amplidão e de lisura».

Sexto domingo do Tempo Comum.

Sexto domingo do Tempo Comum.

É nos nossos caminhos que Ele passa, compadecendo-Se, estendendo a mão, tocando as nossas feridas,
escutando as nossas preces. «Se quiseres, podes curar-me»: é a prece que percorre os Evangelhos, que abre os céus, que liberta de todas as defesas e seguranças. Hoje é Domingo, o primeiro dia da semana: confia a tua vida nas mãos do Senhor e deixa que Ele te conduza nos caminhos do Homem Novo.

Quinta-feira, memória litúrgica de Santa Josefina Bakhita

Quinta-feira, memória litúrgica de Santa Josefina Bakhita

Hoje, a Igreja celebra a memória de Santa Bakhita. Nascida no Sudão, na segunda metade do século XIX, foi vendida como escrava. Através da sua escravatura encontrou o Senhor e testemunhou o amor, a bondade e a alegria, próprios de quem se deixa tocar pela presença de Deus. Hoje, em comunhão com a fundação Ajuda à Igreja que Sofre, pede a Deus a graça de abrires a porta do teu coração, mesmo nas condições mais adversas. 

Quinto domingo do Tempo Comum

Quinto domingo do Tempo Comum

Vivemos do ser de Deus, movemo-nos no seu mistério, tal como uma dança que o bailarino não cessa de interpretar. É uma presença dinâmica, convergente, capaz de suscitar a vida e o amor no seio da nossa história. Hoje é domingo, o primeiro dia da semana: recolhe os teus sentidos, dispersos nas correntes das horas, e encontra-te com o Senhor da tua vida. Começa assim a tua oração.

Quinta-feira da quarta semana do Tempo Comum

Quinta-feira da quarta semana do Tempo Comum

Na tua oração, não deixes de acolher as experiências que te habitam, assumindo-as no teu diálogo com o Senhor. Hoje, começa a tua oração escutando este convite de um poeta sufi do século treze: «O ser humano é uma casa de acolhimento. A cada manhã chega um novo hóspede: uma alegria, uma tristeza, uma maldade, que vêm como visitantes inesperados. Dá-lhes as boas-vindas e recebe-os a todos. Agradece a todos os que te visitam, porque todos te foram enviados como guias para o Transcendente».

Quarta-feira, memória litúrgica de São João Bosco

Quarta-feira, memória litúrgica de São João Bosco

Durante a revolução industrial, em pleno século dezanove, João Bosco traçou uma vida extraordinária
ao serviço dos mais jovens. A sua entrega ao Evangelho conduziu-o junto daqueles a quem o progresso económico marginalizava e sacrificava. Que a belíssima tradição da Igreja,  fruto da ação do Espírito Santo, te alimente na tua oração e na busca de uma vida de santidade.

Quarto domingo do Tempo Comum

Quarto domingo do Tempo Comum

Pode o fascínio alimentar a nossa busca? Pode a Boa-Nova de Jesus atrair os nossos passos em busca de uma vida fecunda, liberta e feliz? Hoje é domingo, o primeiro dia da semana: entra na celebração da comunidade, escuta e maravilha-te com o ensinamento de Jesus e permite que a sua força e o seu poder renovem os teus dias e as tuas ações.

Sexta-feira, memória litúrgica de São Timóteo e São Tito

Sexta-feira, memória litúrgica de São Timóteo e São Tito

Poderemos viver sem a experiência da amizade? Ela é alimento num longo caminho, calor nas dificuldades e desânimos, suporte na partilha e na verdade. Também a vida cristã se tece com os fios da amizade, como bem experimentou Paulo com Timóteo e Tito. Na tua oração, abre-te à presença daqueles que te são próximos e oferece o teu tempo e as tuas palavras pelas suas intenções e pelas intenções da Igreja. Começa assim a tua oração.